Navegação
  .: Página Inicial
  .: Tecido Epitelial
  .: Tecido Conjuntivo
  .: Tecido Ósseo
  .: Tecido Cartilaginoso
  .: Tecido Muscular
  .: Tecido Nervoso
  .: Sangue
  .: Pele
  .: Órgãos Linfóides
  .: Sist. Cardiovascular
  .: Sist. Respiratório
  .: Sist. Digestório
  .: Sist. Urinário
  .: Sist. Endócrino
  .: Sist. Genital Masc.
  .: Sist. Genital Femin.
  .: Links Sugeridos
Interação
  .: Entre em contato
  .: Projetos
  .: Quem somos

Sistema urinário

 

     Partes do aparelho urinário

      > Labirinto cortical;

      > Corpúsculos de Malpighi;

      > Pirâmides de Ferrein;

      > Vasos arciformes;

      > Pirâmides de Malpighi;

      > Colunas de Bertin;

      > Pequenos cálices;

      > Grandes cálices;

      > Pélvis renal;

      > Néfron;

      > Ureter;

      > Cápsula renal;

 

     Componentes do néfron

  • Corpúsculo de Malpighi

    • O Glomérulo é um novelo de alças capilares interposto entre as arteríolas aferente e eferente.

    • Cada alça glomerular é constituída de um endotélio fenestrado envolvido por uma membrana basal sobre a qual repousam prolongamentos de uma célula epitelial - podócito formando o chamado folheto visceral de Bowman.

    • As alças glomerulares, unidas pelo mesângio, flutuam em um espaço denominado espaço de Bowman.

    • O espaço de Bowman está delimitado do resto do labirinto cortical por uma cápsula conjuntiva, revestida por epitélio pavimentoso simples, que se denomina cápsula de Bowman.

    • Ao conjunto do glomérulo com a cápsula de Bowman é denominado corpúsculo renal ou corpúsculo de Malpighi.

    • O plasma sangüíneo passa pelas fenestras dos endotélios capilares, possivelmente providas de diafragmas monomoleculares.

    • O plasma é filtrado pela membrana basal, que envolve os capilares e sustenta os prolongamentos dos podócitos, alcançando o espaço subpodocítico e, através do interpodocítico ou fendas de filtração o espaço de Bowman.

    • O filtrado glomerular (ainda não é urina) é recolhido no polo urinário do corpúsculo renal pelo tubo convoluto proximal.

    • Só após os processos de reexcreção tubular e reabsorção tubular, que o filtrado sofre em seu trajeto pelo néfron é que resultará a urina.

    • Do plexo peritubular é que o plasma retornará depurado à circulação.

  • Alça de Henle

    • Presente predominantemente na medula

    • Ramo descendente

      • Porção espessa:

        • semelhante ao tubo convoluto proximal

      • Porção delgada:

        • Presente na córtex e na medula (onde predominam)

        • Epitélio pavimentoso simples ou cúbico baixo (variando segundo a posição do néfron)

        • Membrana basal espessa

        • Eventualmente, observa-se um padrão epitelial mais alto, com microvilosidades, nos glomérulos de alça curta.

    • Ramo ascendente.

      • Porção delgada:

        • Semelhante à do ramo descendente (variando segundo a posição do néfron)

      • Porção espessa:

        • Semelhante ao tubo convoluto distal.

    •  A porção descendente da alça de Henle é livremente permeável à água, ao Na+ e ao Cl-.

    • A porção ascendente bombeia ativamente Na+ e Cl- da luz para o interstício, mas retém água em sua luz.

    • Isto resulta em um gradiente osmótico com hipertonicidade crescente do tecido conjuntivo intersticial da medula.

    • A urina que passa ao tubo convoluto distal é portanto hipotônica, nos animais providos de alça de Henle.

    • Denomina-se este sistema de contracorrente osmótica multiplicadora.

  • Tubo contorcido (convoluto) distal  

    • O epitélio, embora também seja cúbico, é mais baixo que o do tubo proximal.

    • Apresenta luz mais ampla que a do proximal.

    • O bordo livre é mais nítido, devido à ausência de borda em escôva.

    • O citoplasma é claro, com a acidofilia restrita à porção basal das células.

    • Ao M.E. as interdigitações e as mitocôndrias são mais curtas.

    • Ao M.E. notam-se algumas microvilosidades muito curtas e espaçadas.

    • No T.C. distal ocorre a reabsorção dos ions de sódio e os de potássio são excretados.

    • Os ions bicarbonato são excretados e os ions de hidrogênio são absorvidos, o que acidifica a urina.

    • Estas funções são dependentes da aldosterona.

    • O hormônio antidiurético (ADH) também atua permitindo a absorção da água da luz para o interstício hipertônico.

  • Túbulo convoluto proximal

    • São túbulos de grande diâmetro externo e luz pequena e irregular.

    • Células epiteliais cúbicas com borda em escova.

    • Bordo livre indistinto em virtude da borda irregular.

    • Ao M.E. a borda em escova mostra-se constituída por microvilosidades mais longas que as da planura estriada do intestino.

    • O citoplasma é acidófilo e granuloso, o que dificulta a visualização dos limites intercelulares.

    • Ao M.E. observamos interdigitações e mitocôndrias muito alongadas na região basal das células.

    • Ocorrem no tubo convoluto proximal e dependem fundamentalmente da bomba de Na+.

    • Proteínas, polipeptídios e carboidratos são endocitados na base das microvilosidades da borda em escova.

    • Água, aminoácidos e glicose podem retornar pelos espaços intercelulares.

    • ions Cl- e Na+ são absorvidos por osmose nas microvilosidades e passam para o conjuntivo por transporte ativo.(bomba de Na+ K+ATPase).

    • A reabsorção da glicose somente é possível até determinado limiar da glicemia. Valores excedentes não serão reabsorvidos e acarretarão glicosúria.  

  • Tubo coletor

    • Dois tipos celulares:

    • Células claras, mais numerosas, limites intercelulares nítidos.

    • Células escuras - numerosas mitocôndrias, microvilosidades abundantes.

    • Limites celulares muito nítidos.

    • Luz ampla.

    • Membrana basal espessa.

    • Sua permeabilidade é controlada pelo ADH (hormônio antidiurético) o que permite concentrar a urina hipotônica vinda do tubo convoluto distal.

    • A água retirada do tubo coletor retorna para o interstício conjuntivo da medula renal.

    • Sua atuação é completada pelas redes vasculares dos vasos retos cujas partes descendentes são permeáveis à água e aos sais refletindo o gradiente osmótico do interstício medular.

 

Tipos de néfron

  • Néfrons de alça curta (justacapsulares ou corticais) pequena capacidade de retenção de sal, drenam para veias estreladas pelos plexos peritubulares superficiais.

  • Porção delgada da alça de Henle

    • Epitélio pavimentoso simples baixo (tipo I).

  • Néfrons de alça longa (justamedulares) grande capacidade de retenção de sal, drenam para as veias arciformes pelos plexos peritubulares profundos.

  • Porção delgada da alça de Henle

    • Epitélio cúbico baixo com interdigitações laterais e basais (tipo II ) na porção descendente cortical, pavimentoso com interdigitações basais (tipo III ) na porção descendente medular e cúbico baixo (tipo IV ) na porção ascendente medular.

 

Cálices renais e Pélvis

  • A principal característica da mucosa das vias urinárias é a impermeabilização, que impede produtos altamente difusíveis como a uréia de retornarem ao sangue de onde formam depurados.

  • O epitélio de transição, com a presença de placas de reforço de membrana atende a estas condições.

  • O tecido conjuntivo é ricamente vascularizado, fibroso e desprovido de glândulas.

  • A musculatura é lisa, com uma túnica longitudinal interna e outra circular externa.

 

Ureter

  • A mucosa obedece ao padrão descrito nos cálices e na pélvis renal.

  • A musculatura, lisa, apresenta:

  • Longitudinal interna - continuação da encontrada na pélvis

  • Circular - mais desenvolvida.

  • No terço inferior do ureter surge uma terceira camada longitudinal externa.

  • O ureter é ricamente inervado o que explica porque as passagens de cálculo renal ao longo do ureter sejam tão intensamente dolorosas.

 

Bexiga

  • Epitélio de transição.

  • Lâmina própria frouxa.

  • Não há muscular da mucosa nem submucosa.

  • Musculatura lisa plexiforme.

  • Esfíncteres na saída para a uretra, com componentes lisos e esquléticos (que mantém a voluntariedade da micção até determinados limites).

 

Uretra feminina

  • O epitélio é de transição nas porções iniciais, passa a cilíndrico estratificado e termina pavimentoso estratificado não queratini-zado, com glândulas mucosas intraepiteliais.

  • A lâmina própria é frouxa com glândulas mucosas extraepiteliais.

  • A túnica muscular é lisa com uma camada longitudinal interna e outra circular externa.

  • A túnica adventícia é constituída de tecido conjuntivo frouxo.

 

Uretra masculina

  • Mucosa

    • Uretra prostática

      • Epitélio cilíndrico pseudoestratificado.

    • Uretra membranosa

      • Epitélio cilíndrico estratificado.

    • Uretra peniana ou esponjosa

      • Epitélio pavimentoso estratificado com glândulas mucosas intraepiteliais.

  • Muscular

    • Musculatura longitudinal interna em todas as porções.

    • Musculatura circular externa, ausente na uretra peniana onde é substituída pelo corpo esponjoso.

  • Adventícia ausente.

 

     Referência Bibliográfica:

JUNQUEIRA L. C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004.

Raquel Soares Reis

Buscar na Web por:
Powered by Google
Publicidade:
 
 
 
Layout por:
Histologia FCM - Desenvolvido e mantido por Jonathan Feroldi