Navegação
  .: Página Inicial
  .: Tecido Epitelial
  .: Tecido Conjuntivo
  .: Tecido Ósseo
  .: Tecido Cartilaginoso
  .: Tecido Muscular
  .: Tecido Nervoso
  .: Sangue
  .: Pele
  .: Órgãos Linfóides
  .: Sist. Cardiovascular
  .: Sist. Respiratório
  .: Sist. Digestório
  .: Sist. Urinário
  .: Sist. Endócrino
  .: Sist. Genital Masc.
  .: Sist. Genital Femin.
  .: Links Sugeridos
Interação
  .: Entre em contato
  .: Projetos
  .: Quem somos

Sistema Tegumentar - Pele

 

          A pele recobre a superfície do corpo e apresenta-se constituída por uma porção epitelial de origem ectodérmica, a epiderme, e uma porção conjuntiva de origem mesodérmica, a derme. Abaixo em continuidade com a derme está a hipoderme, que, embora tenha a mesma origem da derme, não faz parte da pele, apenas serve-lhe de suporte e união com os órgãos subjacentes.

 

Funções:

  • Proteger o organismo contra a perda de água por evaporação e contra o atrito;

  • Serve como grande receptor para as sensações gerais (dor, pressão, tato, temperatura);

  • Colabora na termorregulação  do corpo;

  • Participam na excreção de várias substâncias;

  • Proteção contra os raios ultravioleta;

  • Formação da vitamina D3;

  • Importante papel nas respostas imunitárias do organismo.

  • Na pele, observam-se várias estruturas anexas, que são os pêlos, unhas, glândulas sudoríparas e sebáceas.

 

Epiderme:

          A epiderme é constituída por um epitélio estratificado pavimentoso queratinizado. A característica da pele difere na maior parte da superfície do corpo. Há locais, como a palma da mão e a planta dos pés, onde a epiderme é muito mais espessa e a pele é denominada pele espessa. Em outros locais, a epiderme é mais fina, sendo denominada pele delgada. Na pele espessa, podem ser distintas cinco camadas na epiderme:
  • Camada basal:

  • Células prismáticas ou cubóides, que repousam sobre a membrana basal, que separa a epiderme da derme.

  • São responsáveis pela constante renovação do epitélio, com intensa atividade mitótica, por isto, esta camada também é conhecida como camada germinativa;

  • Camada espinhosa:

  • Células poligonais, cubóides ou ligeiramente achatadas, com núcleo central e com expansões citoplasmáticas que contém tonofibrilas.

  • Essas expansões unem-se através de desmossomas, o que dá a célula um aspecto espinhoso;

  • Camada granulosa:

  • Células poligonais com núcleo central, nitidamente achatadas, que contém numerosos grânulos de querato-hialina (basófilos).

  • Além desses grânulos, estas células secretam ainda corpos lamelares, substancia fosfolipídica associada a glicosaminoglicanas, que se espalha no espaço intercelular vedando esta camada de células, impedindo a passagem de compostos, principalmente de água (barreira impermeável).

  • Camada lúcida:

  • Delgada camada de células achatadas, eosinófilas, cujos núcleos e organelas desapareceram;

  • Camada córnea:

  • Camada superficial de células achatadas, mortas, sem núcleo e sem organelas.

  • Membrana celular bem espessa e citoplasma cheio de queratina.

          Na pele delgada, falta frequëntemente acamada lúcida, além de apresentar uma camada córnea muito reduzida. A epiderme apresenta quatro tipos de células: 
  • Queratinócitos:
    • São as células mais numerosas da epiderme. São as que se tornam queratinizadas. O processo de queratinização possui etapas nas camadas da epiderme:
  • Camada basal: queratinócitos possuem tonofilamentos;

  • Camada espinhosa: continua a síntese de tonofilamentos, que se agrupam em feixes de tonofibrilas. Início da síntese de querato-hialina;

  • Camada granulosa: grande acúmulo de grânulos de querato-hialina;

  • Verdadeiro processo de queratinização: ocorre ao período entre a saída de células da camada granulosa e entrada na camada córnea. Aos grânulos de querato-hilaina se combinam com as tonofibrilas, convertendo-as em queratina. Esse processo envolve a decomposição do núcleo e das organelas e o espessamento da membrana celular;

  • Camada córnea: células queratinizadas, que sofrem descamação.

  • Melanócitos:
    • Células do citoplasma globoso, com núcleo central e irregular, situadas geralmente nas camadas basal e espinhosa, com prolongamentos dentríticos dirigidos para a superfície da epiderme;

    • No seu interior ocorre a síntese de melanina, pigmento de cor marrom escura;
    • O processo de síntese de melanina consiste em:
  • A tirosina é transformada em 3,4-diidroxi-fenilalanina (DOPA) pela enzima tirosinase;

  • A DOPA, também sobre ação da tirosinas, produz DOPA-quinona, que, após uma serie de transformações, resulta a melanina;

          Obs.: a tirosinaseé sintetizada a nível de REG e acumulada em vesícula chamadas pré-melanossomas. Com o acumulo de melanina, essas vesículas passam a se chamar melanossomas e, ao fim da síntese, recebe o nome de grão de melanina. A partir deste grão, o pigmento é injetado no interior das células epiteliais e se localizam em posição supranuclear, onde oferecem máxima proteção ao DNA contra a radiação ultravioleta. Quando não existe atividade tirosinática, não há síntese de melanina: é o que ocorre nos casos albinos.

  • Células de Langerhans:
    • Células ramificadas de citoplasma claro, que podem ser evidenciadas através de impregnação pelo cloreto de ouro;
    • Estão localizadas entre os queratinócitos, em toda a epiderme, poré, são mais freqüentes na camada espinhosa;
    •  Fazem parte do sistema imunitário, podendo processar e acumular na sua superfície os antígenos cutâneos, apresentando-os aos linfócitos;
    • Participa do desencadeamento das reações de hipersensibilidade por contato cutâneo.
  • Células de Merkel:
    • Célula epidérmica modificada, localizada na camada basal, e geralmente presentes na pele espessa;
    • Caracteriza-se pela presença de grânulos citoplasmáticos. A base desta célula esta em contato com terminações nervosas, e por isso, é tida como mecano-receptor.

 

Derme:

  • É o tecido conjuntivo sobre o qual se apóia a epiderme. O tecido conjuntivo propriamente dito apresenta-se de muitas formas, as quais são caracterizadas pelos tipos de células que as compõe e pelas fibras. Tais células podem ser: fibroblastos, fibrócitos, macrófagos, linfócitos, plasmócitos, mastócitos, células adiposas e melanócitos.

  • As principais células da derme são os fibroblastos, responsáveis pela produção de fibras e de uma substância gelatinosa, a substância amorfa.

  • Sua superfície externa é irregular, observando saliências chamadas de papilas dérmicas. As papilas aumentam a área de contato derme-epiderme, trazendo maior resistência à pele.

  • Descrevem-se na derme duas camadas, de limite poucos distintos, que são: a papilar, superficial; e a reticular, mais profunda.

  • A camada papilar é delagada, constituída por tecido conjuntivo frouxo.

  • A camada reticular é mais espessa, constituída por tecido conjuntivo denso não modelado. Ambas camadas contem muitas fibras elásticas, responsáveis, em parte, pela elasticidade da pele. Além dos vasos sanguíneos e linfáticos, e dos nervos, tambem são encontradas na derme as seguintes estruturas: pêlos, glândulas sebáceas e sudoríparas.

  • A circulação da pele possui uma disposição tal que acomode as diversas necessidades funcionais, como : nutrição da pele e anexos, aumento ou redução do9 fluxo para facilitar ou dificultar a perda de calor pelo corpo.

  • Os vasos arteriais que suprem a pele foram dois plexos: um no limite entre a derme e hipoderme e outro entre as camadas papilar e reticular. Dos pelxos venosos distinguem-se três: dois na posição descrita pelas artérias e uma na região media da derme. O sistema linfático inicia-se nas papilas dérmicas e convergem para um plexo entre as camadas papilar e reticular, daí partem ramos para o plexo localizado no limite entre a derme e hipoderme.

 

Hipoderme:

  • Também chamado de tecido subcutâneo, é formado por tecido conjuntivo frouxo. È a camada responsável pelo deslizamnto da pele sobre estruturas na qual se apóia. Dependendo do grau e nutrição do organismo, a hipoderme poderá ter uma camada variável de tecido adiposo que, quando desenvolida, constitui o panículo adiposo. O panículo adiposo proporciona proteção contra o frio.

  • A hipoderme é rica em células que armazenam gordura (adipócito).

  • A hipoderme tem como função a reserva energética, proteção contra choque mecânico e isolante térmico.

 

Pêlos:

  • Os pêlos são delgadas estruturas queratinizadas que se desenvolvem a partir de uma invaginação de epiderme. Estão presentes praticamente em toda superfície do corpo, com exceção de algumas regiões bem delimitadas.

  • Cada pêlo origiona-se de uma invaginação da epiderme, o folículo piloso, que, no pêlo de crescimento, apresenta-se com uma dilatação terminal, o bulbo piloso, em cujo centro observa-se uma papila dérmica. As células que recobrem esta papila forma a raiz do pelo, de onde emerge o eixo do pêlo.

  • Na fase de crescimento, as células da raiz multiplicam-se e diferenciam-se:

    • As células centrais da raiz produzem células grandes, vacuolizadas e fracamente queratinizadas, que formam a medula do pêlo;

    • Ao redor da medula diferenciam-se células mais queratinizadas e dispostas compactamente, formando o córtex do pêlo;

    • Das células mais periféricas surge a cutícula do pêlo que apresenta grupos de células fortemente queratinizadas, envolvendo o córtex como escamas;

    • Em um estado normal, os cabelos do couro cabeludo encontram-se 85% na fase de anagênese, 14% na fase catagênese e 1% na fase de telogênese, constituindo tais percentuais o tricograma normal do couro cabeludo. Por ultimo, as células epiteliais mais periféricas originam duas bainhas, envolvendo o eixo do pêlo na sua porção inicial. A bainha externa continua-se com o epitélio da epiderme, enquanto a interna desaparece na altura da região one desembocam as glândulas sebáceas no folículo. Há tambem amembrana vítrea que deve ser uma membrana basal muito desenvolvida, deve0se lembrar tambem do conjuntivo que envolve o folículo e apresenta-se mais espesso, recebendo o nome de bainha conjuntiva do folículo piloso.

  • Há na derme feixes e músculo liso dispostos oblicamente, que se inserem de um lado na bainha conjuntiva do folículo e do outro na camada papilar da derme.A contração desses músculos promove o eriçamento do pêlo, recendo o nome de músculo eretor do pêlo. A pigmentação deve-se a presença de melanócitos, entre a papila e o epitélio da raiz do pêlo.

  • Tipos de pêlo:
  • Lanugem: é o pêlo que cobre o feto e desaparece após o nascimento. É delgado, macio, não pigmentado e não medulado. É protegido pelos folículos fetais e despreende normalmente no útero no sétimo ou oitavo mês de gestação ou então logo após o nascimento;

  • Velus: é o pêlo que substitui a lanugem após o nascimento. É macio, não medulado, fino, curto e raramente pigmentado. Pode ser encontrado normalmente nas faces das mulheres ou na área de calvície dos homens;

  • Pêlo terminal: é o pêlo que substitui o velus em determinadas áreas do corpo e em determinada idade da vida. é um pêlo mais comprido, pigmentado,visível e medulado. É encontrado nas axilas, regiões pubianas, sobrancelhas, cílios, barba, bigode e cabelos do couro cabeludo.

  • Processo de queratinização do pêlo em relação à epiderme:
  • Enquanto a epiderme produz queratina relativamente mole, com pouca adesividade e que descama, o pêlo forma uma massa compacta e coesa de substancia córnea dura , que não se descama;

  • Na epiderme a diferenciação e queratinização são contínuas e difusas, enquanto no pêlo é intermitente e localiza-se no bulbo piloso;

  • Na epiderme, diferenciam-se de modo uniforme, as células epiteliais da raiz do pêlo diferenciam-se em múltiplos tipos celulares.

Unhas:

          São placas córneas (queratina) que se dispõem na superfície dorsal das falanges terminais dos dedos e artelhos. A superfície da falange,q eu é recoberta pela unha, recebe o nome de leito unguenal. A porção proxiamal é chamada raiz da unha ou matriz. É na raiz da unha que se observa a sua formação, graças a um processo de proliferação e células epiteliais, que gradualmente se queratinizam, formando um aplaca córnea. Aunha é constituída essencialmente por escamas córneas compactas, fortemente aderidas uma às outras. Elas crescem no sentido distal dos membros, deslizando sobre o leito unguenal, que tem estrutura típica de pele e não participa da formação da unha.

  • Origem embriológica da unha:
  • Assim como o pêlo, a unha é formada por uma invaginação da epiderme para a derme. Desta forma, tem origem ectodérmica – uma origem “nobre”, pois o SNC tabem origina-se de uma invaginação da ectoderme.

  • Velocidade de crescimento:
  • Em média, as unhas crescem por volta de 0,1mm ao dia, sendo o crescimento mais rápido no verão que no inverno, mais rápido nas unhas da mão do que no pé e mais rápido na mão dominante. As unhas individuais diferem ligeiramente nas velocidades de crescimento. Dessa forma, em circunstâncias normais, as unhas dos dedos das mãos levam cerca de 5 meses pra crescer inteiramente, enquanto as dos pés demoram de 12 a 18 meses.

 

Glândulas sebáceas:

  • Situam-se na derme e seus ductos geralmente desembocam na porção terminal dos folículos pilosos. Nos lábios,grandes e pequenos lábios da vagina os ductos abrem-se direto na superfície da pele. Na palma da mão e na sola do pé não há glândulas sebáceas;
  • São alveolares e geralmente vários alvéolos desembocam em um ducto curto. Esses alvéolos são formados por uma camada externa de células epiteliais achatadas;
  • Secretam uma substancia oleosa chamada sebo que recobre não só o pêlo, mas também a superfície da pele, para a manutenção e sua textura. O sebo é produzido como uma secreção holócrina (o produto é liberado junto com os restos celulares);
  • A atividade dessas glândulas é influenciada por hormônios sexuais. Na puberdade ocorre o aumento na produção das células sebáceas e sebo, e seu acúmulo origina a acne.

 

Glândulas sudoríparas:

  • Merócrina:
  • Distribuem-se por toda superfície do corpo, exceto em alguns locais com lábios e genitália externa.

  • Não estão associadas a folículos pilosos;

  • São do tipo simples, tubulosa, enovelada. Sua porção secretora localiza-se profundamente na derme ou superiormente na hipoderme.

  • Na porção glandular estão presentes células de 3 tipos: mioepiteliais, clara e escura;

  • O ducto da glândula sudorípara é constituído por epitélio cúbico estratificado. Suas células são menores e aparecem mais escuras que as células da porção secretora;

  • Essas glândulas produzem uma solução aquosa pobre em proteínas e rica em cloreto de sódio, uréia, ácido úrico e amônia em quantidade varáveis: o suor. Portanto, funcionam, em parte, como órgãos excretores;

  • Também desempenham um importante papel na regulação da temperatura, pelo resfriamento resultante da evaporação do suor.

  • Apócrina:
  • Encontram-se na axila, aréola e mamilo da glândula mamária, na região circum-anal, em associação com a genitália externa, glândula ceruminosa do canal auditiva e glândula de Moll das pálpebras.

  •  Desenvolvem-se a partir da mesma invaginação da epiderme que dá origem aos folículos pilosos acima da abertura das glândulas sebáceas.

  • Produzem uma secreção que contém proteína e sua composição varia com a localização anatômica, sendo ligeiramente viscosa e sem cheiro, mas que adquire um odor desagradável e característico pela ação de bactérias;

  • Essas glândulas respondem aos hormônios sexuais e desenvolvem-se na puberdade. As glândulas axilares da mulher sofrem alterações cíclicas que acompanham o ciclo menstrual.

 

Glândula mamária:

  • A mama é um conjunto de 15 a 25 glândulas exócrinas do tipo tubuloalveolar composto, que tem por função secretar leite. Ela é divida em 15 a 25 lóbulos por tecido conjuntivo denso e adiposo, sendo de fato, cada lóbulo uma glândula mamária, com sua parte secretora e ducto excretor próprio.

  • As glândulas de ambos os sexos seguem um curso de desenvolvimento até a puberdade, após as glândulas femininas desenvolvem-se sobre a influencia de hormônios hiofisários ovarianos e outros. Após a menopausa, as mamas seguem atrofia e involução progressiva.

 

Inervação:

  • A pele contém diversos receptores sensoriais constituídos por terminações periféricas de neurônios sensoriais. Os mais numerosos são as terminações nervosas livres da epiderme, mas também ocorrem na derme. Outras terminações nervosas estão envolvidas por uma cápsula: terminações nervosas encapsuladas (pressão e tato). As principais são:

  • Corpúsculo de Vater Pacini: estrutura grande e ovóide. Comtém terminação nervosa mielinizada. Uma vez dentro do corpúsculo, só a porção inicial da fibra matem a cobertura mielin. A fibra é circundade por camadas de células achatadas, que são continuas como o endoneuro. São pressoreceptores e encontram-se no tecido conjuntivo, especialmente na pele de grande sensibilidade, como nas pontas do dedo;

  • Corpúsculo de Meisser: encontrados na derme sendo mais numerosos nos dedos das mãos e dos pés. Geralmente são cilíndricos, constituídos por células de sustentação que se acredita serem células de Schwann modificadas e terminais não mielinizados e fibras aferentes São receptores táteis;

  • Corpúculo de Ruffini: estruturas arredondadas, encontram-se na pele e articulação. Uma única fibra mielinizada de grande diâmetro divide-se em muitos ramos pequenos não-mielinizados no interior da cápsula.

  • As glândulas sebáceas são inervadas pela porção simpática do sistema nervoso autônomo (merócrinas respondem ao calor e pressão nervosa; apócrinas respondema estímulos emocionais e sensoriais, mas não ao calor).

 

     Referência Bibliográfica:

JUNQUEIRA L. C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004.

Raquel Soares Reis

Buscar na Web por:
Powered by Google
Publicidade:
 
 
 
Layout por:
Histologia FCM - Desenvolvido e mantido por Jonathan Feroldi