Navegação
  .: Página Inicial
  .: Tecido Epitelial
  .: Tecido Conjuntivo
  .: Tecido Ósseo
  .: Tecido Cartilaginoso
  .: Tecido Muscular
  .: Tecido Nervoso
  .: Sangue
  .: Pele
  .: Órgãos Linfóides
  .: Sist. Cardiovascular
  .: Sist. Respiratório
  .: Sist. Digestório
  .: Sist. Urinário
  .: Sist. Endócrino
  .: Sist. Genital Masc.
  .: Sist. Genital Femin.
  .: Links Sugeridos
Interação
  .: Entre em contato
  .: Projetos
  .: Quem somos

Tecido Muscular

 

     Características:

  • Origina-se do mesoderma;

  • Presença de proteínas filamentosas contráteis (miofibrilas);

  • Componentes recebem nomes especiais: sarcolema (MP), sarcoplasma (citoplasma) e reticulo sarcoplasmático (REL).

   

     Função:

  • Responsável pelos movimentos corporais.

    

     Classificação:

  • De acordo com suas características morfológicas e funcionais:

  • Músculo estriado esquelético:

  • São formados por feixes de células longas, cilíndricas e multinucleadas, que tem origem no embrião através de células alongadas, os mioblastos;

  • Possuem envoltórios: epimísio, endomísio e perimísio;

  • São muito irrigados, cujos vasos sanguíneos penetram no músculo através dos septos de tecido conjuntivo e correm entre as fibras musculares;

  • Cada fibra muscular apresenta uma terminação nervosa motora (placa motora);

  • De acordo com a estrutura e a composição química, as fibras musculares esqueléticas dividem-se em: tipo I ou lentas, tipo II ou rápidas e intermediárias;

  • Sarcoplasma preenchido por fibrilas paralelas, as miofibrilas:

  • Aparecem com estriações transversais, que são alternâncias das faixas claras e escuras;

  • Banda A, banda I e linha Z;

  • A unidade funcional do tecido muscular estriado é o sarcômero: formado pela parte da miofibrila que fica entre duas linhas Z e contêm uma banda A, separando duas semibandas I. ainda na banda A apresenta uma zona mais clara, no centro, chamada banda H;

  • No microscópio eletrônico observa-se a presença de filamentos finos de actina e filamentos grossos de miosina;

  • Estes dois filamentos são unidos e presos ao sarcoplasma por diversas proteínas, como a desmina e distrofina;

  • As miofibrilas contêm quatro proteínas principais:

  • Actina:

    • Actina F formada por monômeros globulares (actina G), torcidas uma sobre a outra em forma de hélice dupla;

    • Possui uma região que interage com a miosina;

  • Tropomiosina:

    • Molécula longa e fina;

    • Localiza-se no sulco existente entre os dois filamentos de actina G;

  • Troponina:

    • Possui três subunidades:

  • TnT, que se liga fortemente à tropomiosina;

  • TnC, que tem grande afinidade por íon cálcio;

  • TnI, que cobre o sítio ativo onde ocorre interação entre a actina e miosina;

  • Miosina:

    • Molécula grande, em forma de bastão;

    • Em uma de suas extremidades, possui locais específicos para a combinação com ATP e é dotada de atividade ATPásica;

    • Nesta parte também se encontra o local de combinação com actina;

  • Contração muscular:

  • Durante o ciclo de contração, o filamento de actina desliza sobre o filamento de miosina;

  • O ATP liga-se à ATPase das cabeças de miosina;

  • A actina atua como cofator, para liberar a energia química do ATP;

  • Quando em repouso, a miosina não pode se associar a actina, por causa da repressão do sítio ativo feito pelo complexo troponona-tropomiosina;

  • Na presença de cálcio, muda a configuração das três moléculas de troponina, liberando o sítio ativo da actina, ativando o complexo miosina-ATP;

  • Essa atividade resulta do movimento da cabeça da miosina, fazendo o seu deslizamento sobre a actina;

  • Quando a membrana do retículo sarcoplasmático é despolarizada pelo estímulo nervoso, os íons cálcio são liberados passivamente e atingem os filamentos finos e grossos;

  • Quando cessa a despolarização, o retículo sarcoplasmático recolhe os íons por processo ativo;

  • Placa motora:

  • Local onde se inicia a despolarização da membrana;

  • Consiste em uma junção entre nervo e músculo, situada na superfície da fibra muscular;

  • É comandada por nervos motores que se ramificam no tecido conjuntivo do perimísio;

  • Neste local, o nervo perde a bainha de mielina e forma uma dilatação que se coloca dentro de uma depressão na superfície da fibra muscular;

  • O terminal axônico apresenta numerosas mitocôndrias e vesículas sinápticas com acetilcolina;

  • A despolarização, iniciada na placa, propaga-se ao longo da fibra muscular e penetra na sua profundidade através do sistema de túbulos transversais:

  • É o responsável pela contração uniforme da cada fibra muscular esquelética;

  • É constituído por uma rede de invaginações tubulares do sarcolema, cujos ramos vão envolver ambas as junções das bandas A e I de cada sarcômero;

  • Tríade é o complexo formado pelo túbulo T e cisternas terminal do retículo sarcoplasmático presentes em cada lado do túbulo;

  • Unidade motora:

  • É a fibra nervosa mais as fibras musculares por ela inervada.

  • Músculo estriado cardíaco:

  • É constituído por células alongadas que se anastomosam irregularmente;

  • Apresentam estriações transversais semelhantes a do músculo esquelético;

  • Possuem um ou dois núcleos localizados centralmente;

  • São revestidos por uma delgada bainha de tecido conjuntivo muito irrigado;

  • Presença de discos intercalares, que são junções onde aparecem zônula de adesão, desmossomos e junções comunicantes;

  • O sistema T e o retículo sarcoplasmático não são muito desenvolvidos, como no ME, são encontrados ao nível da banda Z;

  • Presença de díades;

  • No MC, as mitocôndrias ocupam 40% do volume citoplasmático, refletindo o intenso metabolismo aeróbio;

  • A principal fonte de energia é os ácidos graxos que são armazenados sob forma de triglicerídeos;

  • Apresentam grânulos secretores, mais numerosos no átrio esquerdo, que contém molécula precursora do hormônio ou peptídeo atrial natriurético;

  • Tem sistema próprio de auto-estimulação, composto por células musculares cardíacas modificadas;

  • Músculo liso:

  • Formado por associação de células longas, fusiformes, com núcleo único e central;

  • São revestidas por lâmina basal e mantidas unidas por uma rede muito delgada de fibras reticulares;

  • O sarcolema apresenta grande quantidade de vesícula de pinocitose;

  • Os filamentos de actina e miosina não apresentam organização encontrada nas fibras estriadas;

  • Apresentam feixes de miofilamentos que se cruzam em todas as direções formando uma trama tridimensional;

  • A miosina da célula lisa só interage com a actina quando a miosina está fosforilada;

  • O cálcio, no sarcoplasma, forma um complexo com a calmodulina, que ativa a cinase da cadeia leve de miosina, mudando a formação da cabeça, o que resulta no deslizamento dos miofilamentos;

  • As células apresentam os corpos densos que servem de ancoragem para os filamentos de actina e intermediários;

  • Não possuem sistema T e o reticulo sarcoplasmático é extremamente reduzido. As vesículas de pinocitose desempenham o papel regulador do cálcio;

  • Existem terminações nervosas, mas o grau de controle é variado. Recebem fibras do sistema nervoso simpático e parassimpático;

 

Regeneração:

  • O músculo cardíaco não se regenera. Nas lesões do coração, as partes destruídas são invadidas por fibroblastos que produzem fibras colágenas, formando uma cicatriz de tecido conjuntivo denso;

  • O músculo estriado esquelético tem pequena capacidade de regeneração. Admite-se que as células satélites sejam responsáveis por esta regeneração. Tais células são mononucleadas, fusiformes, dispostas paralelamente às fibras musculares dentro da lâmina basal. Após uma lesão,as células satélites tornam-se ativas, proliferam por divisão mitótica e se fundem umas às outras para formar novas fibras musculares esqueléticas. As células satélites também entram em mitose quando o músculo é submetido a exercício intenso. Neste caso elas se fundem coma s fibras musculares preexistentes, contribuindo para a hipertrofia do músculo;

  • O músculo liso é capaz de uma resposta regenerativa mais eficiente. Ocorrendo lesão, as células musculares lisas que permanecem viáveis entram em mitose e reparam o tecido destruído. Na regeneração do tecido muscular liso da parede dos vasos sanguíneos há também a participação dos pericitos, que se multiplicam por mitose e originam novas células musculares lisas.

 

     Referência Bibliográfica:

JUNQUEIRA L. C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2004.

Raquel Soares Reis

Buscar na Web por:
Powered by Google
Publicidade:
 
 
 
Layout por:
Histologia FCM - Desenvolvido e mantido por Jonathan Feroldi